Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Concordar

Continuando a preparação das comemorações do nosso centésimo sétimo aniversário, é com grande prazer que anunciamos mais uma iniciativa cultural, desta feita, uma exposição de artes plásticas.
Intitulada “as pedras do caminho que faço”, a exposição do artista plástico Paulo Canilhas, terá lugar na galeria do Teatro Eduardo Brazão com inauguração marcada para dia 29 de junho.

Patente até dia 29 de julho
Sábados e domingos das 14h30 às 18h
Durante a semana sob marcação
Entrada Gratuita

Esta mostra, parte de um ciclo que o artista vem apresentado, terá em exposição pintura mas também esculturas de parede inéditas, assim como, a apresentação de algumas das obras pertencentes à coleção particular da Caixa Agrícola de Bombarral.
Sobre Paulo Canilhas
“Na fronteira entre design e arte, Paulo Canilhas encontra um espaço para explorar e expandir os limites que separam a arte de outras disciplinas. O artista combina e edita referências do mundo deixando de lado as noções de Passado e Futuro, para resultar num Presente repleto de simultaneidade e entretenimento. Paulo Canilhas, usa para as suas obras vários suportes, como por exemplo, a chapa metálica, tornando as suas peças esculturas de parede que representam a força dos elementos e da vida como o envelhecimento as imperfeições e a beleza. Das suas obras parece soltarem-se gritos, perguntas, permitindo que o observador encontre sempre referências pessoais no trabalho do artista.” Refere a Diretora e Curadora Raquel d´Arrábida Farelo, da Galeria Via Idea.

Paulo Canilhas nasce a 29 de julho de 1969, em Almada, cidade onde reside e trabalha.
Durante a sua formação académica, estuda pintura e desenho e frequenta vários workshops e outras formações direcionadas às artes plásticas.

No início da sua carreira, com o apoio do Professor/Escultor António Júlio e um grupo de colegas das artes, forma o “Núcleo de Artes Plásticas do Laranjeiro” (NAP) cuja abordagem temática se centrava nas capacidades artísticas de cada um dos seus elementos, resultando daí uma série de exposições “catapultadoras” para aquilo que é atualmente o seu trabalho.

Como forma e processo de trabalho, raramente inicia uma obra isolada, preferindo sempre trabalhar em séries que vai desenvolvendo, criando “famílias” artísticas com laços bastante fortes entre si.
Em 2011 entra novamente para o AR.CO onde tira o Curso Avançado de Artes Plásticas.
A sua obra é representada em várias coleções nacionais e internacionais (particulares e institucionais).

Com uma extensa lista de exposições nacionais e internacionais destacamos ainda a sua admissão para a XX Edição da Bienal de Cerveira a acontecer em 10 de agosto deste ano.
O nosso aniversário
Pensar no longínquo ano de 1911 é, nos dias de hoje, pensar numa outra era, numa outra realidade. É pensar num lapso de tempo feito de histórias, é pensar em pessoas que trabalharam e trabalham para uma causa que hoje, 107 anos depois, continua a querer crescer e inovar.

Pensar em 1911 na Caixa e no Bombarral, é pensar e sentir orgulho nos cento e sete anos da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Bombarral e abraçar o futuro com confiança.

107º Aniversário da Caixa Agrícola de Bombarral

Homenagear a Caixa, o Bombarral e as pessoas que a fazem crescer, celebrar a passagem do tempo e o fortalecimento da nossa Instituição é uma iniciativa que promovemos com sentida honra e sentido de missão, tendo preparado diversas ações culturais e de divulgação de conhecimento no âmbito das comemorações do nosso aniversário para oferecer a toda a comunidade do Bombarral.